sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Poeta Vadio

O frio climático e interpessoal fazem-me calientar na poesia. Ando cantolando versos, brincando em refrões, aquelas coisas que poeta vadio gosta de fazer. 
Este poema, por exemplo, nasceu d'uma discussão com meu amigo poeta Fernando e com amigo-músico-poeta-repentista Luiz Fernando Buba. O último citado, passou um site curioso, tal de 'poeta vadio' http://www.poetavadio.com/ que é um dicionário de rimas. De primeiro, fui contra, os vocábulos e as linhas de poesia o escritor sempre tem que levar ao punho, mas depois percebi que a rima é importante para dar musicalidade ao texto, harmonia e leveza.
 Foi então que nasceu o poema. 


Sou apenas um poeta
(Vadio)
Que jogo as palavras
No jogo de improvisar
E de tanto dizer que te amo
E de tanto sofrer em te amar
Minto que que sinto
E brinco de amar,
Num frio de sorrir
No calor de louvar
Sou o poeta vadio
Que mando as cartas
(de azar)
Escritor cigano
Que escuto o amor gritando
Poeta vadio
Que num beijo
Prova como é bom amar à meretriz
Com sussurros e poemas de arrepio
Este poema bebe e diz
Poeta vadio
Sambe toró em chafariz
Repita a fio
E seja este Poeta vadio.

3 comentários:

Beatriz Fenix disse...

poetisou me ... grata, em poder passar meus olhos e trazer pra alma , tão doce trova ...

Beatriz Fenix disse...

boa tarde...

Luís Gustavo de Oliveira disse...

Olá Beatriz! Agradeço a leitura e os elogios.