sábado, 6 de setembro de 2014

essa música
que chamam
amor
desastra
o ser.
essa porta
que chamam
o amor
amordaça
o ser.
essa porra
que chamam 
amor
mata
o ser.
a verdade não me ilude
o peito do osso calejou
a cisterna espera as gotas
míseras dum amor cervantes.

brincar de dom quixote
acaba com o poeta
assim como este fim
me
acabou,
esterno rijo
externo.